De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...

Na Primavera, NY surpreende no contraste da sua luz. O céu azul segura a explosão das cores espalhadas pelos canteiros da cidade, as pessoas dançam ao ritmo da luz, soltam os sorrisos e os abraços guardados no frio do Inverno e os corpos já se desenham fora das roupas. E por detrás da luz e da cor, sempre os prédios que nos fazem lembrar onde estamos: New York, the big city where people feel free to invent themselves.

Sugestões

jazz agosto

34.ª edição do Jazz em Agosto, 28 de Julho a 6 de Agosto.
O saxofonista Steve Lehman abre o festival, com Sélébéyone, uma proposta que junta as linguagens do jazz e do hip-hop e que conta com a participação dos rappers HPrizm e Gaston Bandimic.

ver mais

Quem Somos

Minnie FreudenthalIsabel AlmasquéAntónio Barros VelosoJoão Pina CabralYvette CentenoEliane PerinJosé Luis Vaz CarneiroCristina GonçalvesRui Barreto


Deambular pelas ruas da velha Santo Domingo… Há cor, há calor, há parques de sombra fresca, gestos de gentes no vai e vem, vozes dos que se sentam a conversar a uma porta, num bar ou nos bancos de jardins. Pela porta entreaberta de oficinas, ouvimos vozes. Da sombra do

Com a queda do império romano no século V a Europa mergulhou num período de desagregação donde só começou a recuperar no século XI. Só nessa altura os progressos da agricultura permitiram um crescimento da população e aumento das trocas comerciais. Associada com a maior prosperidade houve uma grande expansão

O "Barcelona Pavilion", projectado por Ludwig Mies van der Rohe, foi o pavilhão alemão para a Exposição Internacional de 1929, em Barcelona. É um edifício importante na história da arquitectura moderna, conhecida pela suas formas simples, uso espetacular de materiais e mobiliário especificamente desenhado para o local. Ludwig Mies van der

Na encruzilhada de leituras surgem terrenos baldios onde ideias antigas e novas ganham espaço para se misturarem e criar algo inesperado. Para aqueles habituados a trabalhar com os macroproblemas do mundo as soluções são agora difíceis de imaginar. Basta lembrar que nos dias de hoje existem, diariamente, 200 milhões de seres

Por alturas do 25 de Abril foi publicado um artigo, salvo erro no Nouvel Observateur, sobre desigualdades sociais. Dizia o articulista que para a desigualdade social gerar conflito, tinha que haver uma massa crítica de ricos em contacto próximo com uma massa igualmente crítica de pobres. Quando os ricos são

Fomos dormir na terça certos que a coisa se arranjava e, na quarta feira de manhã, quando acordámos: Trás!!!!!! Afinal, era a sério, quem tinha razão era ele! Lá na ‘Terra dos Heróis’ a malta elegeu mesmo esse tipo insalubre. Trump, trampe, trampe: a irracionalidade ao poder. E, já agora,

O primeiro humanóide, o Australopiteco, apareceu na Terra há 4 milhões de anos. A curva da evolução foi muito lenta e o Homo Sapiens só surgiu há 400 mil anos atrás. Só há cerca de 6000 anos que o homem deixou de vaguear pela terra como nómada -caçador - colector

Com o isolamento e muito antes da TV, numa cidade como Vila Real durante o século XIX a grande fonte de entretenimento eram as outras pessoas. Sujeitos excêntricos não faltavam e o culto do dichote e da alcunha com que mutuamente se presenteavam deixou histórias lendárias na memória colectiva. Esta

Sem visitar o delta do Mekong, o Vietname parecia incompleto. Depois de tantos anos os fantasmas de Apocalypse Now ainda pairam bem vivos na nossa imaginação. Como nada estava planeado usámos uma referência do Routard de uma agência de viagem local gerida pelo simpático e eficaz Robert Tràn, dono

Deambular pelas ruas da velha Santo Domingo… Há cor, há calor, há parques de sombra fresca, gestos de gentes no vai e vem, vozes dos que se sentam a conversar a uma porta, num bar ou nos bancos de jardins. Pela porta entreaberta de oficinas, ouvimos vozes. Da sombra do

O céu aberto com farrapos de nuvens prateadas é de um azul candente; o sol que jorra sobre nós a sua luz intensa parece não ter cor; a terra é de um ocre laranja que por vezes chega a vermelho vivo. No entanto, curiosamente, quem feche os olhos tem a

Os velhos amigos no banco da estação

A cena repetia-se todos os anos, durante as férias que há mais de uma década passávamos na República Dominicana. Sempre no mês de Fevereiro, para fugir ao frio de Portugal. Não que as temperaturas fossem excessivamente baixas como no resto da Europa, mas para alguns de nós, com vivências de

Apercebi-me que a frase “deixar de trabalhar sem sentimentos de culpa”, do texto do Pedro sobre os elefantes reformados, ficou a pulsar nos meus ouvidos. Do nada, a minha atenção embrulhava-se com a ideia da reforma. A reforçar este tema fui ver o filme “Juventude” onde um famoso maestro e