De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...

As crises são como um encontro com um destino que não nos pertencia

Nestes momentos somos forçados a abrir os olhos, parar, olhar no espelho e aceitar o que de errado fizemos ou o azar que tivemos. Geralmente ambos convergem para que um caminho se torne demasiado vertiginoso, mas se encararmos os erros como um dos maiores motores para a mudança, certamente que podemos aproveitar as crises, lugares onde os erros se concentram, para espelharmos o que em nós ali nos levou e o que em nós nos ajuda a sair dali.
É assim que no espelho da crise vejo este cenário.

Portugal, antes do 25 de Abril, vivia abafado por um sistema que não investiu a tempo na educação da sua população. Ao explodir a revolução, as pequenas elites intelectuais e citadinas imaginaram um Portugal livre, melhor, culto e autónomo. Durante uns anos as ideias e os sonhos pareciam e julgavam-se mais fortes do que o dinheiro. Mas o dinheiro entrou barato e sem que as regras da nova sociedade estivessem renovadas, ou a Justiça oleada ou os Portugueses educados. O dinheiro entrou num País desestruturado onde a “zanga social” não estava resolvida. Por esta janela vimos, então, aparecer toda uma classe de oportunistas, narcísicos e mal formados, sem empatia pelo outro ou pelo País. Encheram-se de reformas tzarianas, mansões megalómanas, veículos rodados ou alados onde se julgaram acima de todos. No processo esvaziaram a dignidade do País.
Dá vontade de agarrar num “passador” e limpar a escumalha que veio à superfície durante estes anos de dinheiro fácil!
Na crise convergiram outras forças para lá dos erros portugueses. Mas será que sem o desmoronar do sistema financeiro, nós, Portugueses, seríamos capazes de nos olharmos ao espelho e reconhecer os nossos erros?
Enquanto isso, as pessoas com valores cívicos, democráticos e honestos trabalharam. E, por experiência acumulada, tornaram-se membros da justa idade maior cuja sabedoria é agora tão fundamental para o País.
E o que resta a esses que silenciosamente trabalharam e que agora são essenciais à redescoberta do que é ser-se Português? Alguns, por criarem dificuldades a outros menos sérios, preferem sair do país do que ser empurrados para um canto ou uma reforma que não lhes era destinada.

Portugal tem uma nova geração energética e cuja formação profissional é diferente da geração anterior empacotada nas Universidades. Esta geração até pode passar pela Universidade, mas muitos ou quase todos integram diversas áreas de conhecimento vindas de experiências diferentes e criam, com tudo isto, um novo modo de vida.
Sinto que esta nova geração está pronta para um novo padrão social mais horizontalizado e conectado. Mas é a integração desta nova geração com a tal justa idade maior que melhor frutos pode trazer para o País.
Por vezes, imagino um tempo em que aparece em todos os nossos ecrãs dos computadores a bandeira portuguesa, um plim nacional, que nos convoca a responder a perguntas substanciadas por referências com opiniões opostas. Imagino um líder sem medo dos outros, menos solitário por se sentir conectado a um “sistema de gestão colectivo” mais informado, mais evoluído. Ninguém deve abandonar o País mesmo que dele tenhamos de sair para sobreviver. Felizmente a internet permite-nos manter presentes com as ideias onde quer que estejamos.
Os humanos foram privilegiados pela natureza ao ser-lhes oferecida a possibilidade de intervir na evolução através das suas ideias.

Portugal tem que sonhar para lá da crise, tem que investir nesta nova geração, mas uma vez por todas, ligada sem antagonismos à geração anterior e reverter a sua experiência e visão para o País. Só com a energia e maleabilidade duns e sabedoria dos outros Portugal vai ganhar esta corrida.

Minnie Freudenthal
Janeiro, 2012

crises
crises

Fotos de Minnie Freudenthal e Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Alice Minnie Freudenthal, médica Internista pelo American Board of Internal Medicine e Ordem dos Médicos Portuguesa. Áreas de interesse; neurociência, nutrição, hábitos e treino da mente. Curso de Hipnose clínica pela London School of Clinical Hypnosis. Curso de Mindfulness Based Stress Reduction. Palestras e Workshops de diferentes temas na área da neurociência para instituições académicas, empresas e grupos.

Sem comentários

COMENTAR