De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Até não ter mais medo

Até não mais ter medo

Na manhã, rasgo

por fora da camisa

a pele que te separa de mim.

Perdida porque não te reconheço,

mergulho no teu olhar aflito.

Sei que lá estás mas,

às escuras, não te encontro.

Tropeço no medo que me cega,

e aos poucos,

sinto na pele a frescura

do teu choro.

Ali fico.

Ali espero.

Ali reaprendo a respirar,

lavada nas lágrimas da tua dor.

Até não ter mais medo.

Até chegar ao princípio de ti.

 

Alice Bento
Outubro, 2013

até não ter mais medo
até não ter mais medo

Fotos de Minnie Freudenthal e Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Nasceu em Timor, filha de administrativos coloniais, vive agora em S. Francisco, Califórnia. Iniciou os seus estudos de História em Coimbra que não chegou a terminar. Bibliotecária em Berkeley. Casada com Anton Svoczek, Engenheiro mecânico, originário da Republica Checa.

Sem comentários

COMENTAR