De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
HomeSociedade

Sociedade

São 18h de uma sexta-feira do mês de Novembro, na Baixa Pombalina. Na rua, o frio começa a cortar. Há muito movimento, toda a gente foge. Fogem em direcção a casa, ao quentinho, ao aconchego. (Até

Isto de ter nomes constituídos segundo princípios diferentes dos que a cultura dominante assume como universais pode ser perigoso. Em contextos anglófonos, fui muitas vezes confrontado com situações dessas. Somos desacreditados por virtude dos

Naquele dia, o homem decidiu que queria ser livre. Entre o poder ser livre e ser um animal social, optou pela liberdade de decidir a sua vida, sem prisões nem limites económicos ou sociais a condicionarem-no.

Devíamos estar todos sentados na relva, num parque, a sentir uma brisa calma e a fruir os benefícios da Revolução de Abril. A navegar suavemente nas benevolências da democracia e da justiça para todos. E a

Imagina que alguém, teu amigo, te recomendava o Carlton Arms Hotel e fazias a reserva, sem qualquer pesquisa. Sabias que havia pinturas, mas pouco mais. Sentias-te curioso e motivado por visitar NY e ficar num Hotel

Em Moscovo, pude conhecer a casa de Tchékhov. Uma casa não demasiado grande, como os seus textos. Uma casa na qual podemos andar no seu consultório, ver os seus armários, os utensílios com os quais tratava

Terá sido um grito? Fiquei na dúvida. Estaria a sonhar? Ainda meia aturdida naquele torpor matinal do “meio a dormir, meio acordada”, fiquei à escuta. Outro grito surgiu, logo seguido de outro e de mais outro

Rosto envelhecido sulcado pelo vento e sal das ondas, trocámos breves palavras à porta duma tendinha onde ia tomar o mata-bicho. Perguntei-lhe sobre a ilha escarpada, ali em frente, pouso de aves e encosto de embarcações,

In Portugal, the English word ‘home’ does not really describe what the Portuguese experience. Over here, we have houses. The atomistic, self-enclosed sense of ‘home’ is not really what the Portuguese feel on a daily

Um belo dia, numa tarde quente de Outono, recebi um telefonema a dizerem-me que tinhas nascido. Dirigi-me ao hospital D. Estefânea. E de uma forma completamente grátis, uma enfermeira põe-me nos braços uma menina. Muito morena,

Ontem publiquei este texto no facebook: "segunda-feira, finalmente. o corpo pede uma corridinha pelas dunas, mas a cabeça entra em alerta vermelho: há couves que julgam que são pessoas e se põem a correr sem máscara

Nestes últimos tempos tem-se aludido frequentemente ao factor cansaço como uma das principais causas da pouca adesão da generalidade dos cidadãos às medidas de confinamento decretadas pelo governo.  As pessoas estão cansadas da pandemia, diz-se, muita

Sábado de manhã. Centro Comercial das Amoreiras. Estamos na fila. Ninguém sabe para quê. Deve ser para a morte. Embora alguns estejam só para comprar papel higiénico. Sinto saudades de percorrer o meu velho bairro em

Memórias de Antropólogo é um podcast onde se contam alguns dos eventos e encontros que, por causarem perplexidade e pedirem uma resposta, acabaram por dar forma à vida de um etnógrafo, desde África a Inglaterra passando

Como me sinto? O que me move? O que me estimula? Do que tenho medo e escondo com comportamentos estranhos? Como posso melhorar e fortalecer as minhas relações? Tantas questões sem resposta, numa sociedade que nos

Mais do que o isolamento ou a solidão, a pandemia realçou a qualidade elástica do tempo: as horas começaram a ser mais longas do que esperávamos. Ou talvez seja a idade que as torna tão lentas

After decades of living in the superficial sameness of suburban Dallas, we decided to move to a small town in the San Juan Mountains. As we contemplated retirement, we recognized that we were tired of the

Sempre tive um grande fascínio pelo fenómeno da maternidade enquanto origem da multiplicação da vida, que começa numa escala ínfima, desenvolve-se em progressão exponencial e complexidade crescente até à maturidade desejável, o que pressupõe uma organização

Os senhores do Atrium das Glicínias, Investimentos Imobiliários Lda., puseram os telemóveis em cima da mesa, tais cowboys nos filmes de western spagetti, e assinaram comigo um acordo. Entrego as chaves da casa até dia

- Olha! Sim, tu que me estás a fotografar. Tu mesma. Estava à tua espera. Olhei em redor mas não havia vivalma. Aproximo-me incrédula da sereia. - O meu mundo não foi sempre assim, desmoronado, como tu o