De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...

Conto até três e perco-me. Parece difícil aceitar. Vejo-te a descer a estrada de bicicleta com os braços abertos ao mundo. Vejo-te a correr, confiante, num campo de futebol repleto de um público ruidoso. Vejo-te a dançar com um copo na mão, dona de ti, naquele bar que já nem sequer existe. E agora apenas te ilustro na minha mente. Neste teu primeiro aniversário longe de mim, mantenho o brilho da tua presença perto do meu coração. Continuas a crescer, ao meu lado, num caminho caracterizado pela distância. Por esse motivo, quero que voes.  Permite que este dia de maturidade e responsabilidade acrescida te deixe voar. Vai, sei que voltas  E ainda que não voltes, sempre aqui moras. Não vás. Vai, é o meu intuito. Fica, quero-te perto. Dói muito. Dói pouco. Quero que sejas, aí. Vejo-te daqui e tu vês-me a mim. Mas que vás, sempre. Agora, querida amiga, que a possibilidade de te voltar a ver seja menor que o benefício que tirarás desta fuga. Contarei, para sempre, até três. Recordarei, para sempre, como foste e és. Do teu futuro, concluirei, com certeza, a tua chegada ao templo da tranquilidade. Parabéns.

Inês Freudenthal
Fevereiro, 2021

Foto de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Estudante de licenciatura em Gestão na Nova School of Business and Economic, especializando-se em empreendedorismo e estratégia. Atualmente, participante no campeonato de escrita criativa por Pedro Chagas Freitas.

Sem comentários

COMENTAR