De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...

Memórias de Antropólogo

Memórias de Antropólogo é um podcast onde se contam alguns dos eventos e encontros que, por causarem perplexidade e pedirem uma resposta, acabaram por dar forma à vida de um etnógrafo, desde África a Inglaterra passando pelo Minho, Brasil e sul da China.

João Pina Cabral em colaboração com Manuel Rosário


Podcast 1

1 Como a antropologia me descobriu

Tudo começou em 1972 em Johannesburgo, África do Sul. Perante a brutalidade do racismo institucional e com a descoberta inesperada de que, afinal, ser português era mais complicado do que parecia, encontrei na ciência antropológica uma resposta tanto racional como emotiva.

João Pina Cabral


Podcast 2

2 Como perder Deus por um baptizado

Aqui se revela um pouco da pre-história do percurso.  Perante a diferença de costumes que caracterizava a sociedade colonial moçambicana, qual seriam os limites da ética? Haverá mesmo um avaliador moral único? Essa era a perplexidade que me roía quando, como jovem, me vi envolvido com as implicações inesperadas de um baptizado.
João Pina Cabral


Podcast 3

3 Sem braços na rada de Macau

Aparecem nas águas de Macau os restos de uma mulher, sem cabeça, sem braços, e sem pernas. O velho problema de Macau reemerge sempre porque a diferença de valores não se esvaiu: como fazer justiça que faça sentido para quem a recebe? Que é isso de família, então, se os valores divergem?
João Pina Cabral


Podcast 4

4 Entre a vida e a morte no Minho

Quem andar pelo Minho cedo encontrará capelas onde estão expostos corpos humanos incorruptos dentro de caixas de vidro.  Os coveiros e os vizinhos que encontram um tal corpo, sentem que contactam pessoalmente com uma ponte transcendente entre a vida e a morte.
João Pina Cabral


Podcast 5

5 Ana Miséria

No Moçambique colonial o encontro entre culturas distintas criava ondas de desentendimento, sombras de emoções díspares. Numa leprosaria perto do que é hoje o Xai-xai, num baptizado, o sofrimento humano é mais desafiante para quem assiste do que para quem o sofre.
João Pina Cabral


Podcast 6

6 Violências baianas

Nas paredes de uma prisão de província no Baixo Sul da Bahia estão inscritos os desejos e as dores de quem por lá passou. A velha prisão foi substituída por uma nova e moderna prisão e, de repente, a violência aumentou.
João Pina Cabral


Podcast 7

7 Os Koan do Needham

Chegado a Oxford, tive que confrontar as peculiaridades de Rodney Needham, um dos meus dois orientadores—homem genial mas complexo.  Só muitas décadas depois, quando ele faleceu, vim a confirmar que era um Budista Zen não-declarado e que o brutal método pedagógico que usou comigo se chama koan, isto é, a exposição dos alunos a paradoxos irresolúveis e por vezes violentos, no sentido de os forçar a passar para lá do que é óbvio.
João Pina Cabral


Podcast 8

8 O Arcebispo e o Professor

Para fazer etnografia é preciso escolher um ‘terreno’ (ou campo). Fui pedir a um bom amigo do meu pai para me ajudar a ser recebido em Ponte da Barca. A cena a que assisti nesse dia, em que um homem local (Professor Catedrático reformado) era brutalmente corrigido nos seus projectos pessoais, que não convinham à Cúria Romana, foi uma grande lição de vida e de etnografia.
João Pina Cabral


Podcast 9

9 Mohammed em Oxford

Isto de ter nomes constituídos segundo princípios diferentes dos que a cultura dominante assume como universais pode ser perigoso.  Em contextos anglófonos, fui muitas vezes confrontado com situações dessas.  Somos desacreditados por virtude dos nossos nomes não fazerem sentido para eles.  Felizmente para mim (talvez por ser branco de pele …) nunca fui directamente ameaçado, como aconteceu a um estudante líbio numa ocasião a que eu assisti, aterrorizado.

João Pina Cabral
Junho, 2021


Podcast 10

10 Frias por dentro

Viver na diáspora também envolve rejeitar essa diáspora no interior da alma.  Será que as mulheres dos outros são frias por dentro, que elas tiram força às nossas almas? Histórias trágicas de emigrantes com que me fui confrontando.  (E, sim, não há tigres e leões no Kruger Park, mas leopardos e leões, como me alertou o Manuel Ribeiro do Rosário.  Enfim, em quase todas estas conversas há uma palavra, de vez em quando, que me sai errada.  É o preço da informalidade do modelo de apresentação.)

João Pina Cabral


Podcast 11

11 A máscara e o Bispo Litumbi

Estes são farrapos da história de um homem de grande carisma e sapiência que primeiro conheci como prisioneiro, depois como um professor irónico e, finalmente, como uma vítima do imerecido desastre que continua ainda hoje a perseguir o infeliz povo moçambicano.  O colonialismo acabou, mas o imperialismo não, e a tragédia continua!
João Pina Cabral

Podcast 12

12 D. Sebastião e os Albinos

Há uma ilha por trás dos mangues marinhos no Maranhão (Brasil) em que os habitantes são quase todos albinos.  Terra de sonhos e mistérios, onde o Dom Sebastião espera, no seu palácio debaixo da areia, pelo dia para nos salvar.  Em noites de lua cheia manifesta-se como um touro com uma estrela brilhante entre os cornos—por vezes, e perigosamente, também a sua filha aparece.  Que é isso de ‘acreditar’?  Como resistir ao fascínio dos sambas que dizem mais sobre o nosso mundo do que a ciência pode descrever?

João Pina Cabral
Partilhar
Escrito por

Antropólogo social, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Foi Presidente da Associação Europeia de Antropólogos Sociais entre 2003 e 2005. Entre muitas outras obras é autor de Between China and Europe: Person, Culture and Emotion in Macao. Continuum/Berg, Nova Iorque, 2002 e co-editor com Frances Pine de On the Margins of Religion, Berghahn, Oxford, 2007.

Últimos comentários
  • Avatar

    Mas que boa ideia. Vamos acompanhando-te e ouvindo a tua voz… e matando saudades.
    Teresa

  • Avatar

    Queremos mais! Que bela ideia.

  • Avatar

    É claro que eu ia gostar…

  • Avatar

    Gostei. Podes publicar mais…

  • Avatar

    Já ouvi dois podcasts e achei-os extraordinários!

    Não só o conteúdo é riquíssimo, simples mas cheio de pormenores (que memória, Deus meu!) e profundo, como tu és muito bom contador de histórias. Podia ficar horas a ouvir-te. Aliás, espero ficar, aguardo realmente os próximos episódios.

    Tu tens algo muito especial, que é a tua alegria: como é possível um homem com tanto pensamento crítico lançar sobre as grandes e pequenas coisas do mundo um olhar tão benigno, tão interessado, solidário, compassivo? Isso é muito bonito. E ver como a tua fome de interpretar o mundo te acompanha desde criança.

  • Avatar

    Que maravilha
    Giríssimas as histórias do João
    Fantástico
    Um abraço para ele

COMENTAR