De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Nascemos vulneráveis

Imagine que vai buscar a sua criança ao fim de um dia de trabalho. Sente nos ombros tensos o cansaço e uma lâmina de impaciência no pára-arranca do trânsito, no entanto, a antecipação do abraço e da conexão consegue-a manter integrada no mundo envolvente.
Entretanto na escola, a professora, que não gosta ou tem medo de cães, amedronta as crianças, dizendo “Cuidado com o cão do vizinho! É muito mau!”
As palavras soltas da criança dissolvem-se no medo do ladrar do cão. A mãe, de braços abertos, sente o peso de rejeição ao pegar na criança e diz: “Se continuas a chorar, ponho-te no chão”!
E a criança chora ainda mais e o cão continua a ladrar…
Agora, já desconcertada, põe a criança no chão. Ao fim de algum tempo, a ameaça de ser deixada à mercê do medo e o desejo de colo acabam por secar o choro. Esta criança talvez tenha aprendido, neste momento, a correlacionar os sentimentos de rejeição e de vulnerabilidade.

Nascemos vulneráveis e incompletos e dependemos da nossa sociabilidade para sobreviver. Usamos o nosso sistema nervoso para sentir o abandono como um perigo de vida. Mas, como o circuito da dor física se sobrepõe ao da separação social, gritamos e choramos até que a nossa mãe, ou outras mães, nos encontrem e nos venham salvar.
Como adultos, transportamos pela vida fora esta dor da separação.
Crescer é aprender a viver com esta dor e a construir dentro de nós as ferramentas de sobrevivência, sempre com a necessidade física e emocional de nos sentirmos protegidos ou integrados na nossa sociabilidade.
Na infância, a experiência relacional,com os que cuidam de nós, lança os pilares da arquitectura da nossa mente. Para salvaguardar aquele lugar seguro, longe do cão a ladrar, cada criança encontra estratégias que um dia marcarão o modo como se relaciona consigo própria, com as suas sensações, emoções e pensamentos e também com os outros e com os imponderáveis da vida.
Para que a criança se transforme num adulto saudável é necessário que encontre flexibilidade, capacidade de adaptação, coerência, energia e estabilidade para se recompor das dificuldades.

Ora, esse tempo crítico da nossa formação é uma dança entre a criança e quem dela cuida. E se a criança é vulnerável também o adulto mantém, nesse fundo inacessível da memória, a marca das suas próprias experiências da infância.
É neste período extraordinário da vida que mother and others podem viver momentos desafiantes. Porquê?
Nesta relação com a criança, o adulto faz um download das suas próprias vivências de infância, fazendo emergir dessa memória implícita (inacessível) os seus próprios conflitos e vulnerabilidades que se vão reflectir no modo como interage com a criança, quer através de atitudes que lhe assentam como uma luva, quer através de conflitos que a impedem de se tornar um ser humano saudável.

Que ferramentas nos podem socorrer?
Através do treino da mente podemos desenvolver : Self Awareness – Regulation and Transcendence.
Ou seja:
Self awareness, ou a consciência receptiva do que se passa connosco a nível físico, emocional e conceptual. Este tipo de consciência dá-nos a capacidade de monitorizar os nossos passos, nessa dança a dois, dum modo afável e flexível.
Self regulation tira-nos dos automatismos e abre flexibilidade de resposta e possibilidades relacionais.
Transcendence ajuda-nos a descentrar do nosso ponto de vista egocêntrico e de sobrevivência, para poder contactar e ouvir os outros.

Existe uma extraordinária janela de oportunidade, na vida da futura família, para trabalhar a vida interior do jovem casal. O tempo de gravidez é habitualmente um tempo de esperança e abertura. Hoje, sabemos que com uma entrevista (AAI – Adult Attachment Interview) podemos prever, com bastante eficácia, o tipo de estratégias que a criança terá que encontrar para lidar com os seus pais, mesmo antes de nascer.
Porque não usar esta ferramenta na primeira consulta de obstetrícia? Teríamos 9 meses para trabalhar com os jovens pais e para os ajudar a oferecer, à futura criança, um ambiente relacional mais propício para lidar com as vulnerabilidades da nossa natureza.

Minnie Freudenthal
Março, 2020

Fotos de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Alice Minnie Freudenthal, médica Internista pelo American Board of Internal Medicine e Ordem dos Médicos Portuguesa. Áreas de interesse; neurociência, nutrição, hábitos e treino da mente. Curso de Hipnose clínica pela London School of Clinical Hypnosis. Curso de Mindfulness Based Stress Reduction. Palestras e Workshops de diferentes temas na área da neurociência para instituições académicas, empresas e grupos.

Últimos Comentários

COMENTAR