De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

No Carnaval de Cádiz

A menina desceu o degrau da porta de casa com um saltinho abrupto, as saias brancas rodadas e compridas volteando; na cabeça, entre os caracóis castanho-claro, uma grande flor azul-eléctrico com um botão vermelho-vivo no meio; em torno aos ombros, um xaile brilhante; nas faces, uma maquilhagem que, pelo excesso, não conseguia ser obscena. O Carnaval de Cádiz amadurece e, por baixo das mil cabeças tontas, começa já a vislumbrar-se o chão, pejado de sacos de plástico molhados, enrolados em garrafas de rum, moscatel barato ou Coca-Cola. Rolam perigosamente garrafas de cerveja aos nossos pés. Os grupos de homens e mulheres – ou, a bem dizer, essa diversidade pessoal inclassificável – gesticulam com ênfase teatral e grotesca. Tudo, tudo em cores berrantes, excessivas.
A criança saltou da umbreira da porta e rodopiou, feliz, no meio da família sorridente. Nesse momento, algo em mim impelia-me a querer estar ao lado dela. A Mónica fotografava: “Tira uma foto comigo!”, pedi-lhe. Mas a mocinha achou melhor não, não quis ser afastada da proximidade amorosa da família. Olhou para mim incerta e logo seguiu de mão dada com a mãe. Com esse saltinho enfático, tinha conseguido alertar-me para a felicidade de ser o centro da atenção dos que amamos. Senti uma ponta de tristeza, porque o seu afastamento me distanciava da sua alegria. Mas logo fui distraído pelo sorriso contagioso de mais alguém; e ainda de mais alguém; e, de seguida, dos membros de um coro que, no seu grotesco empenho, especados em frente a um qualquer portal de casa antiga, nos divertiam a todos, sem mesmo conseguirmos entender o que diziam, pelo serrado que é o dialecto gaditano.
As ruas pejadas de pessoas a cantar, gritar, rodopiar, sorrir embrulhadas nas suas improváveis vestes de ocasião. Por vezes, parece quase que não teremos por onde fugir; que os nossos corpos todos se misturarão numa massa informe. Chega a dar medo: para que local incerto estaremos a escorrer? Quem sabe se é homem, se é mulher? Quem sabe se é um homem sentindo o que uma mulher sentiria se fosse homem; um pirata sentindo o que sentiria um pirata se fosse escriturário do BBVA; um soldado romano a cavalo do corpo de um professor de escola; um desempregado feito Guarda Civil. Somos todos fotógrafos e modelos, amados e amantes uns dos outros nessa grande mutualidade carnavalesca. Só posso imaginar que devem ser aos milhares os telemóveis roubados, perdidos, trocados por engano. Todo um emaranhado de redes.
E logo mais adiante duas cabeças juntas: uma enorme cabeleira lilás aos caracóis esvaindo-se em todo o seu brilho plástico sobre os ombros de uma elegante jovem que, por sua vez, se debruça sobre a cabeça de um fulano – quem sabe irmão, quem sabe amigo, quem sabe amante – que chora perdidamente com a cabeça no regaço dela. E eu, deste lado de cá, sofro ao pressentir o que é ser tão falhado tão cedo na vida. De seguida, insurjo-me por ver o gesto belíssimo dela a ser perdido no bueiro mental de um alcoólico incontinente a quem a irmã, a amiga, ou, sabe-se lá, circunstancialmente, a amante não poderá cobrir durante muito mais tempo com a sua cabeleira longa de maravilhosos caracóis lilás-plástico – qual aura dourada e rendada, pontuada por lágrimas de diamante de mais uma Madona andalusa. Sou ele, sou ela e sou eu próprio no que eles partilham entre si.
E agora chove. E logo o sol sai laranja, recuperador, de entre nuvens de um azul-cinzento profundo sobre o forte de Cádiz. Ali, diz a sinaleta enferrujada, há muitos séculos, houve um templo fenício à Deusa Astarte (protecção, dizem, para problemas de fertilidade, sexualidade e guerra … impressionante mistura de dons). Um pôr-de-sol molhado mas quente para a nossa alegria inconstante, nessa exuberante festa em que a única música que nos oferecem é a que soubermos nós mesmos gritar.

João Pina Cabral
Março, 2014

Video

Foto e video de Minnie Freudenthal e Manuel Rosário

Ver também

Chirigotas são agrupamentos musicais que apresentam temas humorísticos pelas ruas durante o Carnaval. Em Cádiz, fazem-se competições todos os anos, onde o disfarce cómico dos músicos e a mordacidade do tema contam mais até do que a própria música – geralmente simples e inspirada nos estilos populares andaluzes mais

Cádiz abre-se curiosa a um despojar humano. Na noite longa de sábado, jovens de todas as falas descem à Praça da Catedral. Na mão, garrafas de líquidos mágicos fundem todos numa massa só. O som vibrante das vozes sobe ao céu da praça aberta até aos anjos que, quem sabe,

Partilhar
Escrito por

Antropólogo social, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Foi Presidente da Associação Europeia de Antropólogos Sociais entre 2003 e 2005. Entre muitas outras obras é autor de Between China and Europe: Person, Culture and Emotion in Macao. Continuum/Berg, Nova Iorque, 2002 e co-editor com Frances Pine de On the Margins of Religion, Berghahn, Oxford, 2007.

Sem comentários

COMENTAR