De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Os velhos

Rosto envelhecido sulcado pelo vento e sal das ondas, trocámos breves palavras à porta duma tendinha onde ia tomar o mata-bicho. Perguntei-lhe sobre a ilha escarpada, ali em frente, pouso de aves e encosto de embarcações, pobres como ele. Ia para lá pescar toda a noite, com o irmão, tão velho como ele. Pedi-lhes que me levassem. Insistiram em fazer-me uma cama de mato e ervas secas e cantaram até ao despertar do sol. Para a menina não ter medo, disseram. Dividido um peixe assado na fogueira, o naco de pão e a garrafinha de bagaço para calar o frio, voltámos. Velha e pobre como eles, a casa, rodeada por um fio de terra onde plantavam feijões e batata. Despedi-me e comigo trouxe muito mais do que o pequeno saco de feijões que teimaram em me dar. Mestre Toino e Manel Raposo, enriqueceram, naquele dia, a miúda de 18 anos que eu era, e pouco ou nada sabia da ternura, do cuidar, do desapego.

Este pequeno episódio, de grande significado para mim, poderia ter-se passado com muitas outras pessoas, já na chamada 3ªidade. Artistas, operários, cientistas, escritores, técnicos, todos sem excepção, com o acumular dos anos, guardam dentro de si enormes riquezas e conhecimentos, experiência de vida que, por vezes, num pequeno gesto ou palavra, contribuem para o despertar de quem ainda pouco sabe do mundo e dos tesouros que os seus semelhantes, em particular os mais velhos, encerram.

E cabe aos mais velhos, ainda que por vezes castigados por duros percursos, o exercício de manter, se a saúde o permitir, um espírito desperto, jovem, curioso e disponível para não se fecharem dentro do passado, e livres de amarguras, se manterem presentes e abertos ao que se passa no mundo e a todos os que deles se aproximam. Assim se vão fazendo trocas que enriquecem quem dá e quem recebe, assim se vão criando pequenos momentos de cumplicidade que nos ajudam a viver porque aquecem os corações e nos enchem de esperança.

Estou grata a todos os que acompanhei ou conheci na velhice. Nem todos tinham histórias fascinantes para contar, nem vidas bem-sucedidas ou grande erudição, nem foram as melhores pessoas do mundo, ou tiveram vidas exemplares, mas como não ficar agradecida por toda a riqueza transmitida num sorriso, na confissão de um sonho, numa palavra cúmplice de um velho?

Nada perdeu valor ou se tornou insignificante nos velhos. A miséria está em quem os olha com indiferença, lhes retira dignidade, os trata como crianças, ou pura e simplesmente os considera invisíveis.

Agora que caminho para velha, e enquanto tenho saúde, sinto que o que perdi com o correr dos anos não é nada relevante, se comparar com todo o valor acrescentado que me trouxeram os obstáculos e desafios vividos como aprendizagem e expansão de consciência, e que só uma longa vida me deu, e continuará a dar, para o poder partilhar com quem me cruzo.

Ana Zanatti
Março, 2021

Fotos de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Estudou no Liceu Pedro Nunes, Faculdade de Letras, Conservatório Nacional (curso de teatro). Desde 1968 trabalha em teatro, televisão, cinema, rádio. Em 2003 começou a publicar romances e contos infantis. Continua a escrever.

Últimos comentários
  • Avatar

    Belo texto, Ana. O meu irmão costuma dizer que se deveria poder fazer o “back-up” do cérebro dalgumas pessoas, sobretudo das mais velhas, para não se perder a sabedoria e as experiências que acumularam. Quem sabe, talvez um dia…

  • Avatar

    Obrigada, Isabel. Sim, quem sabe um dia isso seja possível. Tanta riqueza acumulada que se perde com o tempo…

COMENTAR