De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Transformadores

A primeira vez que fui a San Diego foi em 1986, quando atravessei os Estados Unidos de mota com a Minnie.
A ida a San Diego, o ponto mais distante de Nova Iorque a que chegámos, foi uma visita completamente falhada.
Tínhamos dormido a sul de Los Angeles e depois de um trajeto curto, parámos as motas ao lado do Waterfront Park para tomar um refresco. Do nada, saltou uma discussão horrível e perdemos a paciência para explorar a cidade. Montámos nas motas e fomos para Este sem rumo fixo. Por acaso, encontrámos uma estrada lindíssima e ao longo do caminho lá fomos fazendo as pazes. Quando chegámos a Julian estava tudo bem…
Ao longo dos anos voltei a San Diego, muitas vezes, por causa dos meus congressos anuais. Sempre gostei da parte mais funky do downtown com a sua street art exuberante. Nos últimos anos, o processo de gentrificação tem acabado com aquele lado um pouco selvagem de que eu tanto gostava. Neste momento, são os transformadores a herança mais visível da street art de San Diego.

Manuel Rosário
Fevereiro, 2019

Fotos de Minnie Freudenthal e Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Médico Gastroenterologista, nasceu em Lisboa em 1951. Fez o curso de Medicina na Faculdade de Medicina de Lourenço Marques e Faculdade de Medicina de Lisboa. Fez a especialidade no Harlem Hospital em Nova Iorque. Vive em Lisboa desde 1986.

Sem comentários

COMENTAR