De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...

Tudo igual mas de outra maneira

Não pensámos seriamente nas grandes ameaças à humanidade –
ou deixámo-las indefinidas – pó debaixo do tapete à espera de um cego
Como o cão do cego vemos o pó que não limpámos – dormimos no tapete
com os ácaros, um bronco-espasmo, uma pastilha, uma pandemia – o tufão
do ar em falta, poluído porque escolhemos políticos de opereta, empertigados
Em farpelas pirosas persuadem-nos de que não criarão novas ameaças
Não pensamos nem paz nem pátria ou fé – só a preservação
como neomarxistas neoliberais ou pacifistas um pouco libertinos

a pensar os riscos. Esticamos a corda como se houvesse outro planeta perto
e depois outro e mais outro e lugar para todos no transporte público. Confiar
na história reescrita com os problemas resolvidos e os sobreviventes contentes
depois da glaciação, do tsunami, do impacto do asteroide, da guerra nuclear
que nos deixa com ar idiota, arrependidos e estropiados. A nanotecnologia
reproduzindo armas para continuar a guerra e órgãos-próteses para nos
reabilitarmos e continuarmos a morrer sem acreditar em nada

Nuno Felix da Costa
Março, 2019

Foto do Nuno Felix da Costa

Partilhar
Escrito por

Nasceu em Lisboa em 1950, onde ainda vive. Publicou sete livros de poesia o primeiro na &etc em 1995, o último, o desfazer das coisas e as coisas já desfeitas, na Companhia das Ilhas onde também publicou pequena voz – anotações sobre poesia, aforismos e pequenos ensaios. Também expôs pintura e fotografia; editou o primeiro livro de fotografia em 1983, na Assírio & Alvim. É psiquiatra e professor na Faculdade de Medicina de Lisboa.

Sem comentários

COMENTAR